MERS virus, Meadle-East Respiratory Syndrome coronovirus, 3D illustration
Mariana Kawazoe

Mariana Kawazoe

Psicóloga, Psicoterapeuta e Orientadora Profissional

POR QUE AINDA PRECISAMOS FALAR SOBRE COMPORTAMENTO SOCIAL NA PANDEMIA?

Muita gente pensa que, com a vacinação, nós podemos relaxar. Pois estamos vendo que não dá pra relaxar ainda.

Mas, daí você vai dizer: “Ah, vamos conviver com esse vírus pra sempre!”, ou então, “Essa nova variante Ômicron não dá sintomas graves!”, ou ainda, “A tendência das novas variantes é ficar mais fraco!”

Essas são ilusões que criamos para nos sentirmos mais seguros, porém, não é o que a realidade está mostrando: muitas pessoas infectadas e o sistema de saúde colapsando! Falta de testes, de leitos, de equipe…

Outro ponto é: NÃO APRENDEMOS NADA COM ESSA PANDEMIA! E por que digo isso?

Essa será uma sequência de vários posts sobre comportamento social e impactos psicológicos decorrentes da pandemia de COVID-19! Nessa sequência, vá se percebendo e vendo se você está seguindo as recomendações sanitárias! Lembrando que vale para a prevenção de outros vírus, como o da Influenza (agora também na variante H3N2).

Vamos lá!

Eu gostaria de lembrar que existem, pelo menos, três fatores importantes no combate a uma pandemia/epidemia/surto:

1) Vacinação;

2) Tratamento, e;

3) Mudança de comportamento.

As vacinas e os tratamentos, basicamente, dependem dos pesquisadores, das indústrias farmacêuticas, dos órgãos reguladores e do governo fornecerem pra população! Cabe a cada um de nós decidir se vai tomar a vacina e/ou se vai seguir o tratamento proposto pela/o médica/o responsável.

O mais difícil nesses três fatores é a mudança de comportamento. Seria muito fácil, pois não tem tanta coisa assim pra mudar: uso correto de máscara que tenha eficácia, higienizar as mãos com álcool gel e/ou água e sabonete/sabão, distanciamento social, evitar aglomerações, quando sentir algum sintoma procurar ajuda médica e ficar em casa, se estiver doente ficar em casa cumprindo o isolamento social, se entrou em contato com alguém positivado fazer quarentena e fazer o teste PCR.

Ah, você achou muita coisa? Bom, sinceramente, eu não acho tanta coisa assim, mas sei que mudança de comportamento é difícil mesmo quando queremos, por exemplo: fazer uma dieta, começar atividade física, mudar hábitos de sono etc.

E, se já é difícil mudar quando queremos, imagina quando não queremos. Sei porque as pessoas acham que usar máscara, passar álcool gel e ficar em casa é um saco, mas não concordo!

Gente, é para nos preservarmos e preservarmos os outros. Esse é outro aspecto importante, aliás, penso que é o mais importante é: AGIR COLETIVAMENTE!!! Mas também vimos que não rolou com a maior parte das pessoas e, quando isso acontece, SOMOS NÓS!!!

Essas mudanças de comportamento são individuais, mas são para o bem COLETIVO, é para o bem de todos. Isso as pessoas não entenderam! Os protocolos são para evitar que você pegue e que o outro pegue. Desta maneira, diminuímos ou, na melhor das hipóteses, paramos a circulação dos vírus.

Farei uma sequência de posts que falam sobre cada um desses comportamentos.

Ah, e por que ainda temos que falar sobre isso? Primeiro porque me pego explicando as mesmas coisas para pessoas próximas (inclusive profissionais da saúde), aquelas coisas que a gente fala desde o início da pandemia. Outro motivo é porque acompanho as notícias (por fontes confiáveis) e estou vendo o caos que ainda estamos vivendo! E, por último, mas não menos importante, é porque fiz uma pequena pesquisa e escrevi um artigo para a conclusão do curso de neurociências que fiz durante a pandemia e acho importante compartilhar com as pessoas!

Se tiver alguma questão, dúvida, discordância, concordância… escreva pra mim! Mas, por favor, se você for contrapor esses posts, venha com argumentos científicos, pois tudo que escreverei aqui será a partir de fontes científicas, senão nem me darei ao trabalho de responder! Sorry!

Share on facebook
Share on twitter

+55 11 99426-6048

contato@marianakawazoe.com.br

CRP 06/65946

2022 © Todos os direitos reservados.